Cevada - Presente em nossas cervejas e também no risoto do Bar da Maniacs

25/03/2022 17:15

cevada-presente-em-nossas-cervejas-e-tambem-no-risoto-do-bar-da-maniacs

Cevada é o principal cereal utilizado como fonte de carboidratos para a produção de cerveja. Essa é a primeira frase da descrição feita no Guia Oxford da Cerveja, editado por Garrett Oliver e, na versão brasileira, pelo nosso CEO, Iron Mendes. Este importante ingrediente é uma espécie de gramínea natural do Crescente Fértil do Oriente Médio (antiga Mesopotâmia e seus arredores, atual Síria, Iraque e demais países da região). Por lá, inclusive, ainda é possível encontrar a cevada silvestre. 

Não se sabe ao certo como o grão foi parar em uma bebida para originar a cerveja, já que é necessário converter o amido da planta em açúcares fermentáveis. Acredita-se, segundo o Guia Oxford, que a primeira produção da cerveja tenha sido feita com pão de cevada, resultando em uma bebida bem diferente das cervejas atuais. E sim, a cevada, primeiramente foi utilizada na alimentação, apenas depois virou ingrediente para bebidas alcoólicas. 

Mesmo que os alimentos de grão de cevada não sejam mais tão populares, o grão é super nutritivo e uma ótima opção para substituir o arroz, por exemplo. E foi exatamente isso que o pessoal da cozinha do Bar da Maniacs fez. O prato vegetariano do mês de março foi o risoto de cevadinha com tomate pelati e queijo provolone. 

Diferente do grão que usamos na cervejaria, a cevada para o risoto não é maltada. O processo é necessário para a produção de cerveja e não para o consumo. Segundo o Guia Oxford, o grão de cevada malteado tem o potencial de prover o equilíbrio perfeito de carboidratos e proteínas para a nutrição da levedura – e finalmente para a produção de cerveja. A cevada influencia em diversas características das cervejas. Na produção, os cervejeiros optam por grãos de duas ou seis fileiras, dependendo de qual resultado desejar. A cevada de duas fileiras fornece um maior rendimento de extrato, enquanto o tipo de seis fileiras tem uma atividade enzimática um pouco maior. O sabor e o aroma das cervejas produzidas a partir de ambos os tipos também diferem um pouco, sendo as do tipo de seis fileiras levemente mais secas.

Sabemos que você, Louco Por Cerveja, já conhece muito bem o potencial da cevada em bebidas alcoólicas. Que tal conhecer ela na versão alimentícia? 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+